História de Santo Antônio de Pádua

20/06/2020

Estamos no mês de junho, e, celebramos recentemente, a festa em honra a Santo Antônio. E é interessante notar que o testemunho deste santo permanece intenso, suscitando viva alegria no coração dos católicos. Neste sentido podemos recordar as acertadas palavras do Papa Leão XIII que o chamou de "santo de todo mundo", nos ensinando que o exemplo de Santo Antônio não possui fronteiras. Portanto, compartilho com você uma importante obra que pode nos ajudar a conhecer melhor este santo tão querido. Estou me referindo ao livro "História de Santo Antônio de Pádua". Desejo profundamente que esta simples resenha impulsione seu coração para ir além das palavras que utilizarei na descrição desta obra. Boa leitura!

OBRA

Esta edição da "História de Santo Antônio de Pádua" foi publicada em 2019 pela editora Biblioteca Católica. A obra descreve de forma didática a trajetória de Fernando Martins de Bulhões, que pela graça de Deus conhecemos como Santo Antônio. O recorte histórico contido no livro nos apresenta desde seu nascimento em 15 de agosto de 1195 em Portugal, passando por sua primeira vocação em 1210, quando, com idade 15 anos se sentiu atraído para os Filhos de Santo Agostinho, para em seguida trilhar o caminho definitivo, conforme o desígnio de Deus, junto a São Francisco de Assis.

A partir desse momento, o jovem Fernando de Bulhões, nos diz o livro, inspirado no exemplo de Santo Antão, renunciou ao seu nome para se chamar Antônio - (temos uma resenha aqui no site do livro "A Vida de Santo Antão"). E assim, o livro segue descrevendo em detalhes os principais acontecimentos que marcaram a trajetória de Santo Antônio de Pádua, ressaltando sempre o seu zelo no anúncio da Palavra de Deus, ao ponto de receber por isso, do sumo pontífice Gregório IX, o nome "Arca do Testamento", por não haver na Bíblia um só livro que lhe fosse estranho.

ESTRUTURA

O livro "História de Santo Antônio de Pádua", possui 270 páginas, e, além do prefácio, está dividido em 23 capítulos. Os primeiros cinco capítulos tratam do nascimento, da primeira e segunda vocação, da partida para África e Itália, sobre a vida contemplativa e a revelação de seu talento. Os capítulos intermediários, entre outros temas apresentam o poder apostólico, o martelo dos hereges, novos milagres, missão em Rimini e a última enfermidade e morte do santo. Os cinco últimos capítulos falam da transladação das relíquias do santo, o culto de Santo Antônio, Santo Antônio patrono das causas perdidas e as principais virtudes do santo.

CONTEXTO

O Servo de Deus viveu em seu tempo, além dos desafios espirituais próprios da natureza humana, os desafios políticos, sociais e o combate frequente contra os hereges. Pela graça de Deus, conseguiu responder com plena confiança a todas as provações que surgiram ao longo de sua missão. Esta citação retirada do próprio livro nos permite ter uma ideia sobre a personalidade do santo. "O homem de Deus não buscava os aplausos; dispensava até de muito bom grado as demonstrações de reconhecimento; mas estava exposto a elas, e delas não podia escapar facilmente". O livro deixa claro, que um desejo latente no coração do santo era o de merecer por meio do seu ministério o martírio. Mas, como a própria história revela, não era esse o plano de Deus. Assim, Santo Antônio veio a falecer no dia 13 de junho de 1231 com idade de 36 anos.

CITAÇÕES

"Apaixonava-o, sobretudo, o Deus crucificado: é esta a marca particular dos santos", (Pág. 20).

"Noite e dia a santa visão do martírio aparecia-lhe ante os olhos. Ele interrogava o céu com instância, na oração; invocava o Senhor a visitar-lhe a alma e inspirar-lhe o que fosse mais conforme à sua vontade, mais favorável à sua própria salvação, e mais oportuno para utilidade e edificação do próximo", (Pág. 33).

"Os santos, movidos como são pela ação secreta do espírito de Deus, realizam um desígnio superior, mesmo quando parecem obedecer a inspirações pessoais", (Pág. 41).

"Os santos são fontes de água viva em que as almas vêm curar-se da sede", (Pág. 44).

"A humildade de seu coração lhe fazia evitar a pompa do orgulho; e sob as aparências de ignorante ocultava a luz da graça divina", (Pág. 49).

"Tão longo tempo quanto a obediência lho permitiu, adotou a vida solitária; nutria o espírito de pensamentos santos; buscava na meditação a força necessária para resistir às tentações; e abismava-se cada dia mais adentro nas delícias do amor divino", (Pág. 50).

"Na pregação, mostrava uma imparcialidade rara. Dirigia-se aos grandes como aos pequenos: transpassava-os a todos indistintamente com as fechas da verdade", (Pág. 57).

"Este valente explorador avançava sem desfalecimento nas galerias sombrias das consciências, dando seu tempo e seu trabalho a quem o queria, sem acepção de pessoas, e não se poupando em nada para retirar os pecadores do seu triste e perigoso estado", (Pág. 59).

"Os santos têm um modo de ensinar que lhes é próprio. O que os homens vulgares pedem à investigação, os santos vão colher na oração. Eles entram na luz do céu entreaberto pelo amor; e, quando retiram a cabeça do seio de Deus em que a têm mergulhada, trazem-na com uma auréola cujas cintilações esclarecem as mais densas trevas", (Pág. 66).

"Reconhecendo-se indigno de ser o instrumento da graça que esperava, pedia a Deus que arrancasse da escravidão do erro tantas almas simples e retas que a torrente da opinião triunfante arrastava para longe de sua Igreja", (Pág. 75).

"A palavra de Antônio saía-lhe da boca como de uma fornalha ardente. Era maravilhoso ver como ele agitava o auditório. Penetrava até a medula das almas; produzia nelas profunda emoção, acompanhada de arrependimento e de ódio às fraquezas e aos crimes da vida", (Pág. 135).

IMPRESSÃO PESSOAL

Esta obra da editora Biblioteca Católica chama atenção desde o designer da capa nas cores azul e branco, passando pelo folheamento das páginas e chegando ao conteúdo instigante de cada página do livro. A cada capítulo, reacende no coração do leitor o desejo de ler o próximo, além de todo alimento espiritual que vai jorrando ao longo da leitura. Vale a pena conhecer mais, muito mais sobre vida e missão de Santo Antônio.

APRENDIZADO

A "História de Santo Antônio de Pádua", narrada neste livro provocou em mim um misto de surpresa, por conhecer detalhes marcantes da vida deste grande santo da Igreja Católica, aversão, por constatar a mediocridade no meu jeito de ser cristão, e, ao mesmo tempo de esperança por perceber que Deus continua preferindo os humildes.

CONCLUSÃO

Se você é católico, devoto ou não de Santo Antônio, recomendo que reserve um momento em sua vida para conhecer um pouco mais do testemunho deste Servo de Deus. É uma trajetória inspiradora, que nos impulsiona a superar, por vezes, o estado mediano que nos encontramos como cristão que dizemos ser, e por vezes, erguer-nos do lamaçal espiritual que nos encontramos.

Santo Antônio de Pádua, Rogai por nós!

Por Daniel Jorge 


Apoie a nossa missão