'Ser ou não ser santo... eis a questão' do Padre Antonio Royo Marín, O.P.

08/10/2019

Olá,

Minha saudação de paz a você e a sua família! A publicação de hoje é dedicada a esta preciosidade do Padre dominicano Antonio Royo Marín. Trata-se de uma fonte de espiritualidade muito valiosa, especialmente, quando se deseja viver a fidelidade a Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo por consequência natural desta fidelidade a santidade. Estou certo de que direi pouco do muito que está contido neste livro. Mas, que o pouco apresentado aqui, seja o suficiente para animar você a conhecer melhor este grande tesouro da literatura cristã. 

OBRA

A primeira edição da "Teologia de la perfección cristiana", foi publicada pela Biblioteca de Autores Cristianos - B.A.C. Após sua publicação, logo alcançou grande êxito de crítica e de público, sendo classificada por críticos como os dominicanos franceses Padre Garrigou-lagrange e Padre Philipon e o espanhol D. Baldomero, de "melhor Manuel de espiritualidade publicado até a data em todo o mundo". O livro conta com sete edições espanholas, três inglês e sete em italianas, ultrapassando o numero de 150.000 exemplares. No Brasil, o Compêndio da obra "Teologia de la perfección Cristiana", foi publicado em agosto de 2016 pela Editora Ecleesiae, com o título: "Ser ou não ser santo... eis a questão".

ESTRUTURA

Esta primeira edição do Compêndio, possui 371 páginas, subdivididas em quatro partes: "A santidade em geral; Princípios fundamentais; O caminho para santidade e a Oração como meio de santificação". Cada parte está subdividida em capítulos, somando um total de 15 capítulos. Entre as principais temáticas abordadas pelo Padre Royo Marín, destacam-se:

"Chamado universal a santidade; O porquê de tantos fracassos; Principio e fundamento: a graça de Deus; A inabitação da Santíssima Trindade; Os dons do Espírito Santo; Os sacramentos em geral; As virtudes teologais; As virtudes morais infusas; As virtudes cardeais; As virtudes derivadas ou anexas; A oração em si mesma e Os graus de oração".

O Padre Marín, expõe esses assuntos com uma clareza marcante, própria do seu estilo. E o melhor, sem perder a profundidade exigida no trato com cada uma das questões apresentadas.

CONTEXTO

Com mais de 40 anos no exercício do ensino de Teologia espiritual na Faculdade de Teologia de San Esteban de Salamanca, o Padre Royo Marín, já admirado pela sua capacidade de síntese, permitindo uma melhor compreensão de temas, por vezes, complexos, apresenta uma extensa obra com mais de mil páginas, chamada "Teologia de la perfección cristiana".

Mesmo sabendo que não seria necessário acrescentar outros ensinamentos na sua obra, o Padre Royo Marín, decidiu (após observação atenta das limitações de muitos leitores do nosso tempo), publicar um compêndio com este título: "Ser ou não ser santo... eis a questão".

CITAÇÕES

"Uma das maiores obrigações de um cristão, para sê-lo verdadeiramente, é aspirar com seriedade ao pleno desenvolvimento de sua vida sobrenatural iniciada no batismo, ou seja, aspirar a mais autêntica e genuína santidade cristã", (Pág. 23).

"Para alcançar esta perfeição, empreguem os fiéis as forças recebidas segundo a medida em que as dá Cristo, a fim de que, seguindo as Suas pisadas e conformados à Sua imagem, obedecendo em tudo a vontade de Deus, se consagrem com toda a alma à gloria do Senhor e ao serviço do próximo", (Pág. 27).

"A dignidade de uma alma em estado de graça é tão grande que diante dela se esvanecem como fumaça todas as grandezas da terra", (Pág. 91).

"Os santos tremiam ante a possibilidade do menor pecado, porque o dom do temor lhes fazia ver com clareza a grandeza e majestade de Deus, por um lado, e a vileza e degradação do pecado, por outro", (Pág. 133).

"Entre todos os exercícios e práticas de piedade, não há nenhum cuja eficácia santificadora possa se comparar à digna recepção do sacramento da eucaristia", (Pág. 156).

"A devoção aos santos não deve terminar neles mesmos, senão em Deus através deles. Nos santos veneramos propriamente o que têm de Deus, ou seja, a Deus neles", (Pág. 262).

"A humildade, se funda em duas coisas principais: na verdade e na justiça. A verdade nos dá o conhecimento cabal de nós mesmos: não possuímos nada de bom, a não ser aquilo que recebemos de Deus. E a justiça exige de nós dar a Deus toda honra e gloria que pertence exclusivamente a Ele - 1Tm 1,7", (Pág. 276 e 277).

"À medida que a alma intensifica sua vida de oração, se aproxima cada vez mais de Deus, em cuja perfeita união consiste a santidade. A oração é a forja do amor; nela se acende a caridade, iluminando e abrasando a alma com suas chamas, que são luz e vida ao mesmo tempo", (Pág. 300).

"A cruz sempre constituiu uma verdadeira obsessão para almas autenticamente enamoradas do divino Redentor", (Pág. 361).

AUTOR

Antonio Royo Marín (1913-2005) nasceu em Morella, capital da comarca valenciana do Maestrazgo, na Espanha. Ingressou na Ordem dos Pregadores em 1939, e logo destacou-se por suas qualidades intelectuais. Ordenado sacerdote em 1944, foi professor de Teologia Moral e Dogmática em Salamanca, pregador geral dos dominicanos e autor imensamente apreciado, tornando-se afinal um dos teólogos mais populares do nosso tempo. Em reconhecimento a sua fidelidade à Igreja, o Papa João Paulo II concedeu-lhe a Cruz de Honra Pro Ecclesia et Pontifice.

Entre suas obras, além da que apresentamos neste post, destacam-se: "O Grande Desconhecido; A Fé da Igreja, e, Grandes mestres da vida espiritual: história da espiritualidade cristã".

NOTA: Informação retirada do site ecclesiae.com.br.

IMPRESSÃO PESSOAL

O livro "Ser ou não ser santo... eis a questão", nos instiga pela simplicidade na forma de abordagem dos temas, na profundidade com que expõe cada questão e na fidelidade a tradição católica. Volto ao começo para reafirmar que esta obra é uma fonte preciosa de espiritualidade.

APRENDIZADO

Após a leitura atenta deste livro, sinto-me desafiado a ser protagonista da graça que me foi confiada pelo batismo. Sei que o caminho reserva muitas surpresas, por vezes, inconvenientes e dolorosas, mas que seja sempre para lembrar que sou um seguidor de Jesus Cristo, e, como tal, diariamente, preciso abraçar minha cruz e fixar o olhar Naquele que me conduz para eternidade.

CONSIDERAÇÕES

Acredito que se você chegou até aqui, é porque possui um interesse particular por obras de espiritualidade como a que apresentei nesta publicação. Arrisco-me a dizer que é um ato de coragem da sua parte, pois percorrer um caminho como este, é ser conduzido num primeiro momento a si mesmo, permitindo-se, assim, tocar nas próprias feridas da alma, que talvez, por muito tempo tinham ficado de lado. Se possível, continue conosco. Torne-se membro do Clube da Leitura Católica e tenha acesso à leitura desta obra e de tantas outras que irei compartilhar por aqui. A decisão é sua! Ser ou não ser santo... eis a questão!

Por Daniel Jorge